A Apple compartilha como seus chips M1 Mac trazem muita tecnologia de segurança do iPhone para seus computadores

A gigante da tecnologia diz que vem construindo proteções de privacidade no iPhone há anos, mas não poderia trazer todas elas para o Mac antes do M1.

Por anos, a Apple elogiou a segurança embutida em seus iPhones e iPads. Mais de uma década atrás, ele adicionou maneiras de criptografar informações no iPhone. Em 2010, introduziu mensagens criptografadas com iMessage. E em 2013, introduziu os sensores biométricos TouchID para ajudar as pessoas a desbloquear telefones. Com o passar dos anos, foi capaz de trazer essas tecnologias para o Mac também – mas agora, com seus novos chips M1 para o MacMini, MacBook Air e MacBook Pro, será capaz de turbinar esses esforços.

Em seu site na quinta-feira, a Apple atualizou seus documentos de “Segurança de plataforma”, descrevendo como os computadores Mac agora funcionam de maneiras muito mais semelhantes aos do iPhone. Os documentos mergulham em detalhes essenciais de como vários sistemas de segurança em computadores e telefones conversam entre si e como é projetado para proteger a privacidade de um usuário da Apple.

Por anos, a Apple elogiou a segurança embutida em seus iPhones e iPads. Mais de uma década atrás, ele adicionou maneiras de criptografar informações no iPhone. Em 2010, introduziu mensagens criptografadas com iMessage. E em 2013, introduziu os sensores biométricos TouchID para ajudar as pessoas a desbloquear telefones. Com o passar dos anos, foi capaz de trazer essas tecnologias para o Mac também – mas agora, com seus novos chips M1 para o MacMini, MacBook Air e MacBook Pro, será capaz de turbinar esses esforços.

Em seu site na quinta-feira, a Apple atualizou seus documentos de “Segurança de plataforma”, descrevendo como os computadores Mac agora funcionam de maneiras muito mais semelhantes aos do iPhone. Os documentos mergulham em detalhes essenciais de como vários sistemas de segurança em computadores e telefones conversam entre si e como é projetado para proteger a privacidade de um usuário da Apple.

“Software seguro requer uma base de segurança embutida no hardware”, disse a Apple em sua atualização de segurança, que teve quase 200 páginas. “É por isso que os dispositivos Apple – executando iOS, iPadOS, macOS, tvOS ou watchOS – têm recursos de segurança projetados em silício.”

Pode parecer estranho para uma empresa tão secreta como a Apple compartilhar tantos detalhes sobre quase tudo. A gigante da tecnologia é tão conhecida por seu marketing quanto por seus dispositivos e, embora a empresa compartilhe alguns detalhes técnicos sobre seu produto em seu site, ele é destinado ao público em geral.

As informações de segurança da plataforma, porém, são diferentes. A Apple disse que começou a publicar essas informações para clientes empresariais há mais de uma década. Mas a empresa logo soube que pesquisadores de segurança trabalham para identificar vulnerabilidades em seus dispositivos. É por isso que você encontrará termos como “proteção de integridade do kernel” e “códigos de autenticação de ponteiro”, os quais fazem parte dos vários sistemas de segurança da empresa.

A Apple não é a única empresa que trabalha com pesquisadores de segurança, é claro. Na última década, a indústria de tecnologia em geral instituiu programas de “recompensa por bugs” para pagar pesquisadores externos e incentivá-los a ajudar a identificar vulnerabilidades em seus dispositivos. Empresas como Microsoft, Google e Facebook pagaram grandes quantias e agradeceram publicamente a alguns especialistas em segurança por identificarem problemas de segurança antes que eles se tornassem amplamente explorados. A própria Apple paga até US $ 1,5 milhão por essas recompensas.

Uso encorajador

A Apple disse que parte da maneira como projeta sistemas de segurança é encorajar as pessoas a usá-los, ou mantê-los funcionando em segundo plano, sem que as pessoas tenham que saber como funcionam e o que fazer para usá-los.

Por exemplo, o iMessage possui criptografia integrada – os usuários não precisam ativá-lo. E também construiu seu sensor de impressão digital TouchID e sistema de desbloqueio facial FaceID para encorajar as pessoas a usar seus sistemas de criptografia, que são ativados quando as pessoas definem uma senha. Antes de construir o TouchID, por exemplo, a Apple disse que menos de 49% das pessoas usavam as senhas em seus telefones. Após sua introdução, 92% das pessoas o fizeram.

“Isso é importante porque uma senha forte ou senha forma a base de como o iPhone, iPad, Mac ou Apple Watch de um usuário protege criptograficamente os dados do usuário”, disse a Apple em seu documento de segurança.

#Telefones #IndústriadeTecnologia #Segurança #Encriptação #maçã

John Doe

Curioso e apaixonado por tecnologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *