A vida complexa da lenda da maravilha Stan Lee: ‘Nem santo nem Satanás’

Abraham Riesman fala sobre como escrever a nova biografia True Believer: The Rise and Fall of Stan Lee, que explora o homem por trás do mito – e às vezes é desconfortável de ler.

A lenda dos quadrinhos Stan Lee foi um dos verdadeiros titãs da cultura pop, com suas participações especiais no Universo Cinematográfico da Marvel, cimentando seu status como um pilar do universo da Marvel. O homem por trás do Homem-Aranha, os Vingadores, o Quarteto Fantástico e os X-Men passou a encantar o público em inúmeras entrevistas e autografou gibis para fãs que pagaram $ 50 (ou mais) e esperaram na fila por horas para conhecê-lo.

Eu fiz exatamente isso no Wizard World New York em 2013, e me senti um pouco estranho quando observei a mão da lenda dos então 90 anos tremer enquanto ele autografava minha cópia de Amazing Spider-Man nº 96. Foi um flash de o humano vulnerável atrás de um homem que eu praticamente idolatrava como herói desde que comecei a ler religiosamente as aventuras de Spidey aos 9 anos.

A lenda dos quadrinhos Stan Lee foi um dos verdadeiros titãs da cultura pop, com suas participações especiais no Universo Cinematográfico da Marvel, cimentando seu status como um pilar do universo da Marvel. O homem por trás do Homem-Aranha, os Vingadores, o Quarteto Fantástico e os X-Men passou a encantar o público em inúmeras entrevistas e autografou gibis para fãs que pagaram $ 50 (ou mais) e esperaram na fila por horas para conhecê-lo.

Eu fiz exatamente isso no Wizard World New York em 2013, e me senti um pouco estranho quando observei a mão da lenda dos então 90 anos tremer enquanto ele autografava minha cópia de Amazing Spider-Man nº 96. Foi um flash de o humano vulnerável atrás de um homem que eu praticamente idolatrava como herói desde que comecei a ler religiosamente as aventuras de Spidey aos 9 anos.

Nos anos desde aquele encontro, até a morte de Lee em 2018, eu li inúmeras biografias e relatos sobre ele e os primeiros dias da Marvel para tentar entender as pessoas reais por trás do universo ficcional. Essas histórias se tornaram quase tão confortáveis ​​e familiares quanto os quadrinhos que geraram.

Então eu li True Believer de Abraham Riesman: The Rise and Fall of Stan Lee, que chega às lojas esta semana, e uma das primeiras linhas me disse que esta tomada não seria tão confortável.

“A história de Stan Lee é onde a verdade objetiva morre”, ele escreve.

Em vez de começar com os contos familiares da infância de Lee na época da Depressão em Nova York ou seus primeiros dias na Marvel, Riesman perde pouco tempo aludindo às alegadas falsidades e exageros de Lee em relação ao seu papel na criação de personagens, as dificuldades legais enfrentadas por sua postagem -As empresas da Marvel e os abusos de idosos que ele pode ter sofrido nos últimos meses de sua vida.

Era uma leitura totalmente absorvente e profundamente desconfortável, então perguntei a Riesman por que ele optou por não começar com o romantismo usual sobre o surgimento da Marvel Comics como a conhecemos.

“Se eu tivesse começado com ‘Bang pow zoom, quadrinhos são legais’ – quero dizer, quem se importa? Parecia a coisa natural a se fazer situar o leitor no mundo de Stan, com todas as suas diferentes facetas”, ele me disse via Zoom de sua casa em Providence, Rhode Island.

“Stan não era santo nem Satanás. Ele era um ser humano, ele não era um super-herói. Não há super-heróis.”

A origem de Riesman na Marvel começou nos anos 90, depois que ele comprou uma cópia do livro Marvel Super Heroes Guide de Megan Stine, uma mini-enciclopédia projetada para atrair jovens leitores para o mundo de Spidey e amigos, em uma feira de livros do ensino fundamental. The Marvel Action Hour, em que Lee provocou episódios dos desenhos animados do Quarteto Fantástico, Homem de Ferro e Hulk, apresentou-o ao próprio homem.

O primeiro encontro na vida real veio em 1998, quando Lee assinou sua cópia surrada do Quarteto Fantástico No. 47 (uma história dos primeiros Inumanos) na convenção do Mundo Bruxo em Rosemont, Illinois. O livro inclui uma foto retro deliciosamente tirada pela mãe de Riesman, mas que não captura um momento estranho logo após.

“Ele olhou para mim, olhou para minha mãe e disse: ‘Você me imortalizou’ – uma coisa muito estranha de se dizer a alguém que acabará se tornando seu biógrafo”, lembra Riesman.

A incerteza por trás de quem criou os personagens mais icônicos da Marvel tem sido um pomo de discórdia para os fãs de quadrinhos – os falecidos artistas Jack Kirby e Steve Ditko afirmaram que Lee recebeu mais do que seu quinhão do crédito por sonhar com o Quarteto Fantástico e o Aranha. Homem em particular. É uma pergunta para a qual não devemos esperar respostas claras, de acordo com Riesman.

“Não acho que haja uma arma fumegante que realmente nos diga quem criou os personagens da Marvel”, disse o jornalista, que escreve para a New York Magazine and Vulture. “E isso é realmente difícil para as pessoas, porque queremos certeza. O cérebro humano prospera em fazer julgamentos, mas é um mundo complicado e confuso.”

Parte do problema está no Método Marvel de criação de quadrinhos, que Lee usou com Kirby e Ditko nos anos 60. Ele daria aos artistas um esboço de história tosca e os deixaria usar sua imaginação para preencher páginas e painéis com imagens de ação e drama. Então Lee voltaria a escrever o diálogo baseado no que seus colaboradores desenharam.

Essa abordagem criou uma grande ambigüidade sobre quem exatamente fazia o quê, em uma época antes de todos nós começarmos a deixar as trilhas digitais. Kirby foi particularmente assertivo ao reivindicar todo o crédito pela criação dos personagens icônicos da Marvel, e Riesman explora isso em seu livro.

“Acho que Stan e Jack eram os únicos que sabiam … apenas duas pessoas estão envolvidas nesse processo criativo de nível superior”, disse Riesman sobre esse enigma da cultura pop. “Eram dois homens em uma sala, até certo ponto, ambos estão mortos e não tinham nenhuma gravação ou anotação para apoiar suas afirmações.”

O Método Marvel também torna complicado usar os quadrinhos para obter uma visão sobre Lee, já que não sabemos o quanto ele contribuiu para questões individuais e arcos de história. Riesman optou por se concentrar na realidade da vida, em vez de buscar quaisquer revelações autobiográficas profundas nas vidas de Bruce Banner, Peter Parker ou Reed Richards.

“Não acho que você possa aprender tanto com esses quadrinhos como muitas pessoas pensaram”, disse Riesman. “Não acho que seja tão importante quanto olhar os fatos concretos de sua vida e seu impacto.”

Em última análise, o autor deseja que esta biografia ajude as pessoas a aceitarem que a ambigüidade é “a ordem do dia” quando se trata de Lee ou da vida de qualquer outra pessoa.

“Realmente corremos o risco de tornar o mundo um lugar pior quando transformamos as pessoas da vida real em super-heróis, sejam eles políticos, cantores, atores ou titãs da indústria”, disse Riesman. “Uma vez que você começa a colocar as pessoas nessas categorias, você está realmente se divorciando da realidade. E Deus sabe, nós gastamos muito tempo nestes dias completamente divorciados da realidade.”

Se há uma coisa que aprendi mergulhando em biografias como a de Riesman, é que as pessoas por trás das lendas são sempre mais fascinantes e complexas do que os contos que contaram. Se você fica obcecado com cada detalhe em cada filme ou programa do universo cinematográfico da Marvel – e as pessoas que participaram de muitos deles – você deve a si mesmo entender os altos e baixos das histórias da vida real que estabeleceram suas bases.

#TVefilmes #StanLee #Marvel

John Doe

Curioso e apaixonado por tecnologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *