Blecaute de notícias do Facebook: por que as pessoas de fora da Austrália deveriam se importar

Uma lei proposta na Austrália pode ser a primeira de muitas em todo o mundo.

No verão passado, o Facebook emitiu um alerta severo ao governo australiano sobre uma proposta de lei que exigiria que o gigante da mídia social pagasse às editoras: Passe e restringiremos as notícias lá embaixo.

“Presumindo que esse projeto de código se torne lei, vamos parar relutantemente de permitir que editores e pessoas na Austrália compartilhem notícias locais e internacionais no Facebook e Instagram”, disse Will Easton, que gerencia as operações do Facebook na Austrália e na Nova Zelândia, em uma postagem de blog em agosto. “Esta não é a nossa primeira escolha – é a nossa última.”

No verão passado, o Facebook emitiu um alerta severo ao governo australiano sobre uma proposta de lei que exigiria que o gigante da mídia social pagasse às editoras: Passe e restringiremos as notícias lá embaixo.

“Presumindo que esse projeto de código se torne lei, vamos parar relutantemente de permitir que editores e pessoas na Austrália compartilhem notícias locais e internacionais no Facebook e Instagram”, disse Will Easton, que gerencia as operações do Facebook na Austrália e na Nova Zelândia, em uma postagem de blog em agosto. “Esta não é a nossa primeira escolha – é a nossa última.”

Na quarta-feira, o Facebook puxou o gatilho, antes mesmo do Código de Negociação da Mídia de Notícias, que também afeta o Google, se tornar lei. A decisão foi grande e polêmica devido ao crescente número de pessoas que contam com a rede social para obter informações sobre temas que vão desde o coronavírus até a política. A medida retaliatória rapidamente gerou indignação de políticos, grupos de direitos civis e meios de comunicação, que a veem como outro exemplo de por que o poder da Big Tech precisa ser verificado.

O que está acontecendo na Austrália é provavelmente uma amostra do que vai acontecer em outras partes do mundo. Políticos na UE e no Canadá disseram que estão acompanhando os acontecimentos com atenção. A França já pressionou o Google a pagar editores.

Aqui está o que você precisa saber sobre o Facebook, o Google e a lei proposta.

Sobre o que é essa lei proposta? Se eu não estiver na Austrália, por que devo me importar?

A Austrália diz que os meios de comunicação tradicionais estão lutando para competir com o Google, Facebook e outras empresas de tecnologia por dólares de publicidade, uma crença amplamente, embora não universal. Isso ameaça a indústria de notícias, que é vista como uma parte importante das sociedades democráticas, mantendo os cidadãos informados e controlando os poderosos. A Austrália quer nivelar o campo de jogo. Outros países também estão pensando em leis e regulamentos semelhantes.

Segundo a proposta, que foi apresentada ao Parlamento australiano em dezembro, as empresas de notícias negociariam individualmente ou coletivamente com o Facebook e o Google para que fossem pagas por seu conteúdo. O governo poderia estender o escopo da lei para incluir outras plataformas no futuro, se tiver evidências suficientes de um “desequilíbrio do poder de barganha”. Se os meios de comunicação e as plataformas digitais não chegarem a um acordo, um árbitro independente tomará uma decisão. A lei também exige que o Facebook e o Google forneçam aos meios de comunicação “informações claras sobre os dados que coletam por meio das interações dos usuários com notícias em plataformas digitais”.

As empresas temem que a Austrália abra um precedente. E eles têm bons motivos para se preocupar. Um ministro do Canadá citou o exemplo da Austrália ao pedir que o Google e o Facebook paguem aos editores em seu país, e um membro do Parlamento Europeu disse anteriormente à que deseja integrar medidas semelhantes na legislação da UE que está por vir. O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, está partindo para a ofensiva, ligando na quinta-feira para seu homólogo indiano, Narendra Modi, para conseguir o apoio de um país que tem mais usuários do Facebook do que qualquer outro. É provável que mais ligações com líderes mundiais se sigam.

Como o Facebook e o Google reagiram à proposta?

Facebook e Google não gostam da lei proposta, mas responderam de forma diferente. Embora o Google tenha inicialmente ameaçado retirar seu produto de busca da Austrália, a empresa acabou fechando acordos com grandes editoras, incluindo um acordo de três anos com a News Corp de Rupert Murdoch. Os negócios envolvem o Google News Showcase, que destaca artigos de notícias com curadoria de editoras, um serviço por meio do qual o Google prometeu US $ 1 bilhão para lojas em todo o mundo. Os negócios seguem um padrão semelhante ao de um acordo fechado na França, onde, após uma longa batalha com o governo, o Google concordou em desembolsar milhões de euros para algumas editoras.

O Facebook diz que a lei proposta “interpreta mal” sua relação com os meios de comunicação, deixando de levar em consideração seu papel em direcionar os leitores às editoras. Os editores se beneficiam da rede social porque ela “permite que vendam mais assinaturas, aumentem sua audiência e aumentem a receita de publicidade”, diz a gigante da tecnologia. O conteúdo das notícias representa menos de 4% do que as pessoas veem em seus feeds de notícias, diz o Facebook, mas gerou cerca de 5,1 bilhões em referências gratuitas para editores australianos. O Facebook estimou essas referências em AU $ 407 milhões ($ 315 milhões).

OK. Então, o Facebook ficou louco na Austrália. Isso me afeta?

Depende de quão interessado você está na terra Down Under. Se você estiver na Austrália, não poderá ver ou compartilhar notícias na plataforma. Os usuários que tentaram obter um aviso dizendo que a empresa restringiu o compartilhamento em resposta à lei proposta.

A rede social também bloqueou páginas críticas do governo, como o Bureau of Meteorology, que as pessoas recorrem para obter atualizações sobre o clima durante a temporada de incêndios florestais na Austrália. O Facebook disse que as páginas do governo não deveriam ser afetadas e que isso as restauraria. Os usuários também relataram que não podiam visualizar ou compartilhar conteúdo de instituições de caridade e outros serviços governamentais.

Mesmo se você não estiver na Austrália, a decisão do Facebook pode afetá-lo porque as notícias de editores australianos não podem ser visualizadas ou compartilhadas. Portanto, as páginas do Facebook para agências de notícias australianas não exibem notícias.

Qual foi a reação?

Bem previsível.

“Essas ações apenas confirmarão as preocupações que um número crescente de países está expressando sobre o comportamento das empresas de Big Tech, que pensam ser maiores do que os governos e que as regras não deveriam se aplicar a elas”, disse o primeiro-ministro Scott Morrison em um post no Facebook .

Embora o Facebook tenha se tornado nuclear com as notícias na Austrália, as partes ainda estão conversando. “Hoje eu tive uma nova conversa com Mark Zuckerberg do Facebook”, tuitou o tesoureiro australiano Josh Frydenberg na quinta-feira, referindo-se ao chefe da rede social. “Conversamos sobre os problemas restantes e concordamos que nossas respectivas equipes trabalhariam com eles imediatamente. Conversaremos novamente no fim de semana.”

Autoridades de outros países também assistiram ao desenrolar da batalha.

O ministro canadense do patrimônio, Steven Guilbeault, que supervisiona a mídia do país, prometeu na quinta-feira fazer o Facebook e o Google pagarem às editoras em seu país. O Canadá pode adotar o modelo da Austrália, disse Guilbeault, acrescentando que esteve em contato com autoridades na França, Alemanha e Finlândia sobre o assunto.

“Suspeito que em breve teremos cinco, 10, 15 países adotando regras semelhantes”, disse ele, segundo a mídia local. “O Facebook vai cortar laços com a Alemanha, com a França?”

Na semana passada, Alex Saliba, um político maltês e membro do Parlamento Europeu, disse à que espera integrar medidas como a da Austrália na legislação futura. Saliba é o relator em exercício da proposta de Lei de Serviços Digitais, legislação da UE que responsabilizaria grandes empresas de tecnologia por conteúdo ilegal que circula em suas plataformas. Juntamente com o Digital Markets Act, o DSA é parte de uma proposta de legislação da UE projetada para reprimir a Big Tech.

“Acredito que seja justo que [Facebook e Google] paguem uma quantia justa em troca desses benefícios”, disse ele à em um comunicado. “A única questão é se o DSA e o DMA … são a legislação apropriada para introduzir tal sistema.”

Fale mais sobre esses acordos que o Google está fechando com as editoras.

O Google lançou o News Showcase na Austrália no início de fevereiro, enquanto um comitê do senado deliberava transformar o Código de Negociação da Mídia de Notícias em lei. Inicialmente, sete pequenas editoras participaram com a News Corp. e a Nine Entertainment, as duas maiores empresas que faziam lobby pelo código da mídia, rejeitando o convite do Google para entrar.

À medida que o projeto se aproximava de se tornar lei, o Google fez ofertas mais generosas. Nine Entertainment e Seven West, duas das maiores empresas de mídia do país, aceitaram negócios supostamente avaliados em mais de AU $ 30 milhões (US $ 23 milhões) por ano. A News Corp. seguiu com um acordo global que fará com que jornais como The Wall Street Journal, The Times e The Australian venham ao News Showcase por uma taxa “significativa”.

Uma sinopse na página inicial de busca do Google no ano passado alertou os australianos que o rascunho do código de mídia poderia piorar a busca. Agora lê-se: “O News Showcase agora tem mais de 73 publicações parceiras na Austrália. Leia as notícias.”

#IndústriadeTecnologia #oFacebook

Novo vídeo sobre mesa posta da Tati

John Doe

Curioso e apaixonado por tecnologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *