E se algum dia seu carro elétrico pudesse funcionar com gosma cinza em vez de baterias?

Nos ajude compartilhando esse conteúdo

Essa gosma é uma pasta de hidreto de magnésio que cria hidrogênio para uma reação de célula de combustível, é claro.

Os carros elétricos estão ficando melhores e mais abundantes a cada dia, mas ainda existem algumas desvantagens em embalar um veículo cheio de células de bateria e ligá-lo a um carregador. Obviamente, o tempo é uma preocupação. Mesmo com o carregamento rápido DC, você ainda provavelmente se encontrará acampado em um carregador por meia hora ou mais. Há também a questão do custo, como estamos vendo em lugares como o Texas, onde a instabilidade da rede devido ao clima está fazendo com que os preços de cobrança de veículos elétricos subam vertiginosamente.

É aqui que o hidrogênio pode entrar, embora, é claro, isso tenha seus próprios obstáculos a serem superados. Ele tem problemas de infraestrutura próprios e os tanques de hidrogênio necessários para manter o hidrogênio líquido seguro a mais de 10.000 psi impede colocá-los em veículos muito pequenos. Mas e se o hidrogênio não precisasse ser armazenado como líquido ou mesmo como gás? De acordo com um anúncio feito no início deste mês, a organização de pesquisa Fraunhofer da Alemanha afirma ter encontrado uma maneira de armazenar hidrogênio como uma pasta.

Os carros elétricos estão ficando melhores e mais abundantes a cada dia, mas ainda existem algumas desvantagens em embalar um veículo cheio de células de bateria e ligá-lo a um carregador. Obviamente, o tempo é uma preocupação. Mesmo com o carregamento rápido DC, você ainda provavelmente se encontrará acampado em um carregador por meia hora ou mais. Há também a questão do custo, como estamos vendo em lugares como o Texas, onde a instabilidade da rede devido ao clima está fazendo com que os preços de cobrança de veículos elétricos subam vertiginosamente.

É aqui que o hidrogênio pode entrar, embora, é claro, isso tenha seus próprios obstáculos a serem superados. Ele tem problemas de infraestrutura próprios e os tanques de hidrogênio necessários para manter o hidrogênio líquido seguro a mais de 10.000 psi impede colocá-los em veículos muito pequenos. Mas e se o hidrogênio não precisasse ser armazenado como líquido ou mesmo como gás? De acordo com um anúncio feito no início deste mês, a organização de pesquisa Fraunhofer da Alemanha afirma ter encontrado uma maneira de armazenar hidrogênio como uma pasta.

Se a ideia da pasta de hidrogênio faz sua cabeça doer um pouco, você não está sozinho, mas não é tão complexo quanto parece. Para fazer esta “pasta de energia”, Fraunhofer começa com magnésio em pó e combina-o com hidrogênio a uma temperatura de cerca de 662 graus Fahrenheit sob uma pressão de aproximadamente seis atmosferas, ou 88 libras por polegada quadrada. Isso resulta em hidreto de magnésio, que é então combinado com um éster e um sal metálico de algum tipo para transformá-lo em uma pasta estável, que é então colocada dentro de um cartucho em forma de tubo.

Para usar o Powerpaste em um veículo, o usuário deve inserir um cartucho selado de Powerpaste e encher o tanque de água com água normal velha. Quando a pasta e a água são introduzidas, o hidrogênio gasoso é gerado e alimentado em uma célula a combustível, gerando eletricidade. O legal é o seguinte: como a água é dois terços do hidrogênio, ela fornece uma quantidade significativa de hidrogênio para a reação da célula de combustível. Isso significa que menos pasta é necessária, tornando o processo razoavelmente eficiente.

Agora, em seu comunicado à imprensa, Fraunhofer fala sobre o uso desse sistema Powerpaste em veículos pequenos como motocicletas e e-scooters, mas é lógico que o sistema seria facilmente escalável para ser usado em carros e caminhões. Armazenar e transportar a pasta deve ser muito mais fácil e seguro do que com hidrogênio líquido também, portanto, construir uma infraestrutura provavelmente seria muito mais barato.

Fraunhofer está atualmente construindo uma fábrica para produzir Powerpaste a uma taxa de cerca de quatro toneladas por ano, e deve entrar em operação em 2021.

#Carrosdecéluladecombustível #AutoTech

Allan Siriani

Curioso e apaixonado por tecnologia, professor do curso superior de BigData no agronegócio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *