Fóssil de besouro de 100 milhões de anos lança luz sobre uma família de insetos antigos

Nos ajude compartilhando esse conteúdo

Um fóssil de besouro bem preservado do período Cretáceo pode ser o elo fóssil que faltava para o vaga-lume de hoje.

Um besouro preso em âmbar por mais de 100 milhões de anos está oferecendo aos cientistas pistas sobre por que os insetos bioluminescentes podem ter brilhado no período Cretáceo, cerca de 145 a 66 milhões de anos atrás.

Em um novo estudo publicado na revista Proceedings of the Royal Society B, os cientistas revelam que um besouro Cretophengodes encontrado “preservado com fidelidade semelhante à vida em âmbar” tem uma conexão direta com seus primos vaga-lumes.

Um besouro preso em âmbar por mais de 100 milhões de anos está oferecendo aos cientistas pistas sobre por que os insetos bioluminescentes podem ter brilhado no período Cretáceo, cerca de 145 a 66 milhões de anos atrás.

Em um novo estudo publicado na revista Proceedings of the Royal Society B, os cientistas revelam que um besouro Cretophengodes encontrado “preservado com fidelidade semelhante à vida em âmbar” tem uma conexão direta com seus primos vaga-lumes.

É um mistério para os cientistas por que os besouros antigos podiam brilhar. Mas, com base em seus parentes distantes, como vaga-lumes, os cientistas acreditam que a função provavelmente poderia ter sido usada como uma defesa contra predadores, bem como uma forma de atrair parceiros – assim como as larvas de besouro dos dias modernos na mesma família usam a luz.

“A descoberta de uma nova família extinta de besouros elateróides é significativa”, disse o co-autor do estudo Erik Tihelka, da Escola de Ciências da Terra, em um comunicado, “porque ajuda a lançar luz sobre a evolução desses fascinantes besouros.”

Como este fóssil de besouro em particular estava bem preservado em âmbar, os cientistas foram capazes de ver o órgão de luz no abdômen do besouro macho. Isso fornece provas de que os cretofengodos adultos eram capazes de produzir luz, cerca de 100 milhões de anos atrás.

A maioria dos besouros produtores de luz pertence à família Elateroidea, que possui mais de 24.000 espécies conhecidas. A descoberta desse besouro fornece o elo fóssil que faltava entre as famílias vivas e, ao fazer isso, ajuda os cientistas a compreender como esses besouros evoluíram e como devem ser classificados.

Allan Siriani

Curioso e apaixonado por tecnologia, professor do curso superior de BigData no agronegócio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *