Homem-Aranha: Into The Spider-Verse é o melhor filme de super-heróis

Nos ajude compartilhando esse conteúdo

Comentário: E não chega nem perto.

Em retrospectiva, ninguém estava pronto para o Homem-Aranha: Para o Verso-Aranha. Não estamos acostumados com filmes de super-heróis sendo obras-primas. Estamos acostumados com a mediocridade.

Mediocridade, nós amamos isso. Nós desejamos isso. Consumir seu material de marketing, alimentado por gotejamento em nossas línguas famintas. Nada mata mais a sede do que a mediocridade. Delicioso. Adoro. Não consigo o suficiente. Dê-me essa mediocridade.

Em retrospectiva, ninguém estava pronto para o Homem-Aranha: Para o Verso-Aranha. Não estamos acostumados com filmes de super-heróis sendo obras-primas. Estamos acostumados com a mediocridade.

Mediocridade, nós amamos isso. Nós desejamos isso. Consumir seu material de marketing, alimentado por gotejamento em nossas línguas famintas. Nada mata mais a sede do que a mediocridade. Delicioso. Adoro. Não consigo o suficiente. Dê-me essa mediocridade.

Obrigado, Disney, obrigado, Marvel, pela mediocridade. Para inventar o modelo e nunca se perder. Pelo compromisso de 22 filmes com o filme de três estrelas para sempre. Já estamos acostumados. Provavelmente é uma coisa boa. Eu costumava reclamar da fadiga do super-herói, agora abraço a rotina. Vá por sua vida, Marvel, faça seus filmes de três estrelas. Pelo menos eles não são ruins. Isso seria terrível. Não, eles são apenas medíocres e isso é … bom?

No entanto, infelizmente para a Marvel, de vez em quando um filme de super-herói chega aos cinemas para lembrá-lo de como é a magia. Para recalibrar sua ideia do que é “bom”. Em 2018, esse filme foi Into the Spider-Verse, um filme atualmente disponível para assistir na Netflix.

E por Deus você deveria assistir.

Mas observe por sua própria conta e risco. A sério. Passei os últimos cinco anos me empanturrando sem pensar em filmes de super-heróis que são tão seguros quanto parecem. Depois de assistir Into The Spider-Verse e vê-lo repetido nos últimos meses, é difícil voltar atrás.

É visualmente de cair o queixo

Você está pronto para uma visão hiperbólica e completamente acrítica de por que Into The Spider-Verse é o melhor filme de super-herói da última década e além?

Brilhante. Vamos começar.

Provavelmente, é melhor começar com a estética e o design visual.

Os produtores Phil Lord e Christopher Miller queriam que Into The Spider-Verse tivesse um visual único desde o início, que resultou em mais de 140 animadores combinando animação por computador com um estilo desenhado à mão projetado para imitar a arte de quadrinhos.

Quando soube disso, fiquei cínico. Filmes que assumem riscos visuais ou são pioneiros em estilos de arte exclusivos tendem a ser bem avaliados por padrão. “Aqui está o seu cookie para tentar algo diferente.” Esse é o tipo de coisa que tende a fazer os críticos de cinema salivar como os cachorros de Pavlov.

Mas não é o suficiente, certo? Muitos filmes de animação (* tosse * Kubo e as duas cordas) têm estilos de arte pioneiros, mas são festivos de soneca completos. Esse não é o caso aqui.

Into The Spider-Verse tem uma estética integrada, mas o que realmente eleva o filme é o quão inventivo ele é, o quão vibrante ele é, com narrativa visual.

Eu sempre penso na cena acima, quando Peter Parker e Miles Morales, os dois principais “Homens-Aranha”, tentam escapar do laboratório de um vilão. Eles são vistos e todos os cientistas no prédio se levantam, entram em ação imediatamente. Excepto um. Que continua comendo seu almoço. Ela já viu tudo isso antes. Este é o covil de um vilão. Sempre tem algum super-herói tentando mexer com suas merdas. Este é apenas mais um dia no escritório. Literalmente. Ela só quer terminar a pausa para o chá.

É uma fração de segundo, mas denuncia um comprometimento insano com os detalhes. Um compromisso de ser inventivo, de subverter, de se envolver com ideias estranhas e ser corajoso com elas. É um espírito que infecta cada quadro deste filme.

Que tal o design visual de Kingpin, que é quase comicamente superdimensionado, mas ainda emana uma aura incrivelmente intimidante.

Que tal o fato de que Into The Spider-Verse combina perfeitamente personagens de diferentes universos (noir, anime, animação tradicional dos anos 30), fornecendo a cada um seu toque visual único, mas de alguma forma faz com que tudo pareça pertencer ao mesmo filme?

Isso é ignorar como este filme se move – em um ritmo esquizofrênico com sequências de ação que nunca param e nunca param de surpreender você. Como quando Miles Morales fica com uma mão presa em um Peter Parker inconsciente e a outra presa em um trem do metrô em movimento e o caos começa. Ou quando um Morales inexperiente precisa escapar de The Prowler tropeçando por túneis abandonados usando poderes que ele acabou de adquirir. Cada sequência salta para fora da tela com um senso de imaginação intenso e dramaticamente hiperativo. Parece meticulosamente planejado, mas executado espontaneamente.

É impossível tirar os olhos da tela.

O roteiro é … [beijo do chef]

Não é necessariamente o script que eleva ao Verso-Aranha. “Script” é apenas um termo abrangente para a história, que leva a jornada de um herói tradicional e a torce em todos os tipos de direções estranhas.

Um termo abrangente para o modo como ele pega o mito tradicional do Homem-Aranha (o homem é mordido por uma aranha, o homem vê o tio morrer, o homem se inspira a assumir suas responsabilidades) e o subverte, mantendo grande respeito pelo dispositivo de história atemporal que ele se tornou.

Pela maneira como ele comenta sobre si mesmo como uma história de origem, em um sentido meta, sem se tornar arrogante ou roubar de seu público a vida no momento da jornada de Miles Morales para se tornar o Homem-Aranha.

Homem-Aranha: Into The Spider-Verse concilia todas essas responsabilidades internas (ser legal, ser engraçado, não se levar a sério, ter coração, ser sincero, mas inteligente, ser sentimental, mas não doentiamente doce) e faz isso sem esforço. Ou – pelo menos – faz um trabalho incrível de mascarar o esforço necessário para criar um filme de super-herói que faz tudo perfeitamente.

À sua maneira, Into The Spider-Verse é um pequeno milagre.

Na verdade, é um grande milagre.

Ele faz todas essas coisas sem pressa e sem ultrapassar as suas boas-vindas. A maior parte de sua narrativa vem visualmente, sem exposição. Faz justiça às histórias de vários personagens. A jornada de Miles Morales, obviamente, é narrada de maneira primorosa, mas também o é o velho Peter Parker, um Homem-Aranha que nunca vimos antes: de meia-idade, entediado, deprimido, separado por um casamento fracassado. Um homem que prefere pegar o ônibus a atravessar a cidade de Nova York. Até Kingpin é um vilão simpático, movido pelo desejo de resgatar sua própria esposa e filhos da morte.

Cada ponta solta é amarrada – de forma rápida, sutil, inteligente, sem problemas – de uma maneira que faz quase todos os outros filmes de super-heróis parecerem infinitamente desajeitados e antiquados.

Este filme parece real

Para um filme de animação sobre seis pessoas-aranha de seis dimensões diferentes usando poderes sobrenaturais para derrotar um homem de 400 libras e ciborgues robôs em trajes, Into The Spider-Verse é notavelmente aterrado.

É uma história sobre família, sobre o que significa ser pai, o que significa ser filho. O que significa lutar com as expectativas dos outros e viver de acordo com seu próprio potencial. Mais do que qualquer outro filme de animação que já vi, parece executado. Tem a energia espontânea e o coração de uma comédia maluca, a incrível escala de ação de super-heróis no seu melhor.

Você teria que voltar até O Gigante de Ferro ou Os Incríveis para encontrar um filme animado que parecesse tão real. Um filme que oferece quase todos os espectros possíveis que você poderia inventar, mas ainda parece original e novo.

Se você ainda não assistiu Spider-Man: Into The Spider-Verse, você está se vendendo. Como eu, você provavelmente passou os últimos anos chafurdando na mediocridade do canto fúnebre do super-herói. Isso é bom. Isso é bom.

Mas talvez valha a pena se lembrar de como é curtir algo incrível.

#Cultura #TVefilmes

Allan Siriani

Curioso e apaixonado por tecnologia, professor do curso superior de BigData no agronegócio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *