O Cecil Hotel da Netflix é uma bagunça inchada e irresponsável

Comentário: Não é apenas ruim. É enfadonho e confuso.

Crime Scene: The Vanishing at the Cecil Hotel, o documentário de sucesso mais recente da Netflix, é um relógio assustador. Mas não pelos motivos que você esperava.

Com foco no notório Cecil, um hotel sombrio localizado no centro de Los Angeles, ele conta a história de Elisa Lam, uma estudante canadense que desapareceu no hotel em circunstâncias misteriosas, antes de ser descoberta afogada.

Crime Scene: The Vanishing at the Cecil Hotel, o documentário de sucesso mais recente da Netflix, é um relógio assustador. Mas não pelos motivos que você esperava.

Com foco no notório Cecil, um hotel sombrio localizado no centro de Los Angeles, ele conta a história de Elisa Lam, uma estudante canadense que desapareceu no hotel em circunstâncias misteriosas, antes de ser descoberta afogada.

É o sonho de um verdadeiro documentarista criminal. Imagens granuladas de segurança mostram Lam, assustado e estranho, em um elevador se comunicando histericamente … com outra pessoa? Um espírito demente assombrando o Cecil? Quem sabe. Mais tarde, imitando o enredo real do clássico de terror japonês Dark Water, o corpo em decomposição de Lam é encontrado virado para cima no tanque de água do hotel. Os residentes estiveram bebendo, lavando e escovando os dentes com água turva daquele mesmo tanque por dias antes de ela ser descoberta.

Com um mistério como esse, e um diretor lendário como Joe Berlinger (anteriormente responsável por clássicos como Brother’s Keeper e Paradise Lost), você esperaria que Crime Scene: The Vanishing no Cecil Hotel fosse uma TV imperdível. Mas isso não.

Nem mesmo perto.

É mau. E não apenas ruim. Cena do crime: O desaparecimento no Cecil Hotel é inchado, enfadonho e confuso. É irresponsável e desonesto, entregando-se a teorias de conspiração que colocam vítimas já vulneráveis ​​em maior risco.

Aviso: spoilers à frente.

A stretch

Cena do crime: O desaparecimento no Cecil Hotel é extremamente longo. Desnecessariamente longo. O que leva quatro episódios de uma hora de duração pode e deve ser facilmente resolvido em um único episódio de longa-metragem.

No que rapidamente se tornou uma tendência de documentário da Netflix, Cecil Hotel precisa dolorosamente de uma edição – repetindo detalhes interminavelmente, ganhando tempo com segues sem sentido e entrevistas inúteis. É um problema de métricas? A Netflix exige que os documentaristas ampliem seus projetos indefinidamente?

Independentemente disso, Cecil Hotel forçou minha paciência para provocações falsas e falsos cliffhangers.

Assistir a qualquer série de documentários serializados exige uma tolerância para pistas falsas deliberadamente colocadas que são rapidamente resolvidas no episódio seguinte, mas Cecil Hotel faz algumas coisas bastante imperdoáveis.

Uma informação particular, deliberadamente retida perto do início, é usada para criar mistério e debate em torno da natureza da morte de Lam durante todo o show, apenas para ser resolvido quase casualmente perto do final do episódio final. Horas de especulação desnecessária e – às vezes – acusações infundadas contra a polícia e funcionários do hotel, todas tornadas completa e totalmente sem sentido. Há um limite aqui e Cecil Hotel passa por ele.

O que me leva talvez à pior parte deste documentário: The Internet Sleuths.

Em uma tentativa de esticar o tempo de execução do show, Cecil Hotel preenche minutos de tempo de tela com um elenco rotativo de “Internet Sleuths” – YouTubers essencialmente – que variam do levemente estranho ao absolutamente assustador. Esses detetives passam horas dissecando filmagens, vasculhando as contas de mídia social de Elisa Lam, fazendo afirmações ultrajantes nos canais do YouTube.

Por meio desses detetives, o Cecil Hotel se entrega a todos os tipos de teorias da conspiração, emprestando-lhes crédito e respeito por toda parte. Apenas para revelar – nos últimos 10 minutos – que quase tudo o que eles disseram foi uma merda completa.

É uma técnica quase perigosa.

A busca interminável de Cecil Hotel no Tumblr de Elisa Lam parece desconfortável, como ler o diário de alguém adolescente – mas, considerando que as dificuldades de saúde mental de Lam são fundamentais para o caso, é indiscutivelmente compreensível. No entanto, ter esses detetives estranhos (um pediu a um amigo para gravar a si mesmo tocando a lápide de Lam) dissecando-os sem crítica diante das câmeras é um passo longe demais.

Mórbido

Mas não é nada comparado ao tratamento de Pablo “Morbid” Vergara, um cantor de Death Metal bizarramente preso em um vórtice de especulação sem base. Depois de se deparar com um vídeo no YouTube dele documentando uma estadia no hotel, detetives da internet se encarregaram de acusar Morbid de assassinar Lam e jogar seu corpo no tanque de água.

O documentário do Cecil Hotel não só obscurece o fato de Morbid ter ficado no hotel 12 meses antes do desaparecimento de Lam durante quase todo o tempo de execução, como também se entrega a teorias de conspiração de que ele estava envolvido com a morte dela. Usando imagens de seus vídeos de death metal, junto com letras de death metal, deliberadamente cria uma narrativa de que seu envolvimento na morte de Lam é uma possibilidade viável.

Só mais tarde descobrimos que, além de Morbid não estar nos Estados Unidos na época do desaparecimento de Lam, ele foi incessantemente assediado e ameaçado a ponto de tentar tirar a própria vida e acabar em um psiquiatra hospital. Incentivados pelo mesmo tipo de detetives da Internet que recebem uma plataforma enorme e acrítica neste documentário.

Gastar metade do seu documentário sugerindo que este homem, empurrado até o limite por uma multidão online, poderia ter sido o responsável pela morte de Lam é sem sentido e potencialmente prejudicial.

Mas é par para o curso com Cecil Hotel, um documentário que pega uma história insana e afundada e de alguma forma a torna não apenas entediante, mas beirando a ofensiva ao fornecer uma plataforma para um grupo de pessoas que ativamente descarrilou o caso e feriu pessoas.

O Cecil Hotel poderia ser um mistério restrito e conciso. Pode ter sido um aviso sobre comunidades online e os danos colaterais que elas causam quando assumem especialização. Mas não é nenhuma dessas coisas. É uma bagunça longa demais de um documentário que desrespeita seu público e a história que tenta contar, mas, o pior de tudo, desrespeita as vítimas.

John Doe

Curioso e apaixonado por tecnologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *