O CEO da Tripwire Interactive deixa o cargo após apoiar a lei de aborto do Texas

A empresa diz que tem um novo CEO interino.

Tripwire Interactive, desenvolvedora da série Killing Floor e Manhunter, substituiu seu diretor executivo no fim de semana do Dia do Trabalho após o agora ex-CEO John Gibson mostrar apoio à proibição quase total do aborto no Texas. A empresa disse na segunda-feira que o substituiu e tem um novo CEO interino.

“Os comentários feitos por John Gibson são de sua própria opinião e não refletem os da Tripwire Interactive como empresa”, disse a empresa em um comunicado na segunda-feira. “Seus comentários desconsideraram os valores de toda a nossa equipe, nossos parceiros e grande parte de nossa comunidade em geral. Nossa equipe de liderança na Tripwire lamenta profundamente e está unida em nosso compromisso de agir com rapidez e promover um ambiente mais positivo.”

Gibson tweetou no sábado seu apoio à lei do Texas depois que a Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu não bloqueá-la em 1º de setembro, dia em que ela entraria em vigor.

“Orgulho de #USSupremeCourt afirmar a lei do Texas que proíbe o aborto em bebês com batimento cardíaco”, disse Gibson no Twitter. “Como artista, não entro em política com frequência. Mesmo assim, com tantos colegas que falam do outro lado dessa questão, achei importante registrar-me como um desenvolvedor de jogos pró-vida.”

Após seu tweet, Gibson recebeu uma onda de críticas, incluindo da Shipwright Studios e Torn Banner Studios, duas empresas que fizeram parceria com a Tripwire.

No lugar de Gibson como CEO interino estará Alan Wilson, co-fundador da empresa e vice-presidente. Gibson não pôde ser contatado imediatamente para comentar.

A proibição quase total do aborto no Texas, conhecida como Senate Bill 8, proíbe o aborto depois de seis semanas, antes que a maioria das pessoas saiba que está grávida. É uma das leis de aborto mais restritivas do país, sem exceções para estupro ou incesto. A lei permite que particulares processem qualquer pessoa que busque um aborto, bem como aqueles que “auxiliam ou incentivam” um aborto. Uma organização pró-vida criou um site de denúncias para indivíduos denunciarem aqueles que sofreram um aborto, mas o site já foi removido por seu provedor de domínio.

#Cultura

John Doe

Curioso e apaixonado por tecnologia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *