Os pesquisadores usaram tomografias computadorizadas para desembrulhar virtualmente uma múmia imaculada

As imagens os ajudaram a aprender novos detalhes sobre a 18ª Dinastia do Egito.

Em 1881, os arqueólogos descobriram a múmia de Amenhotep I em Deir el-Bahari, uma vila fora do famoso Vale dos Reis do Egito. Por 140 anos, os cientistas não quiseram desembrulhar o corpo do rei com medo de danificar sua máscara facial ornamentada e bandagens. Mas, graças à tecnologia de tomografia computadorizada (TC), eles não precisam mais correr esse risco. Pesquisadores da Universidade do Cairo recentemente “desembrulharam” Amenhotep digitalmente para aprender sobre sua vida e dinastia.

Os exames revelaram que ele tinha cerca de 35 anos quando morreu. “Amenhotep I parece ter se parecido fisicamente com seu pai: ele tinha um queixo estreito, um nariz pequeno e estreito, cabelo encaracolado e dentes superiores levemente protuberantes”, disse o Dr. Sahar Saleem, o principal autor do estudo, à PA Media. Não está claro por que ele faleceu tão jovem. Os pesquisadores não encontraram evidências de feridas externas ou desfigurações que possam ter contribuído para sua morte.

Sahar Saleem et al.

O que eles descobriram foram vários ferimentos post-mortem que provavelmente foram infligidos ao corpo por ladrões de túmulos. Esse dano foi “reparado com amor” por padres mortuários da 21ª Dinastia, cerca de 400 anos após a morte de Amenhotep. Eles usaram uma faixa de linho tratada com resina para recolocar a cabeça e o pescoço juntos. Os pesquisadores também encontraram cerca de 30 amuletos escondidos entre as bandagens de Amenhotep. O fato de eles ainda estarem lá mesmo depois de seu enterro provavelmente desmente a teoria de longa data de que os sacerdotes de dinastias posteriores reutilizariam os ornamentos nos ritos fúnebres de seus faraós.

O estudo fornece uma visão sobre um dos períodos mais fascinantes da história egípcia. Amenhotep I governou entre 1525 e 1504 AEC, durante o período do Novo Império do Egito. Ele estava entre os primeiros faraós da 18ª dinastia, uma linhagem que mais tarde incluiria Akhenaton, o polêmico faraó “herege” que apresentou o reino a uma religião monoteísta centrada em torno do sol. Ele também era o pai de Tutankhamon ou Rei Tut.

A primeira vez que os arqueólogos usaram uma tomografia computadorizada para examinar uma múmia foi em 1977. Conforme a tecnologia amadureceu e se tornou mais acessível, ela permitiu que os pesquisadores estudassem as múmias de maneiras que não podiam antes. Em 2017, por exemplo, o Chicago’s Field Museum pôde mergulhar em sua coleção, uma das mais extensas dos Estados Unidos, com a ajuda de tomógrafos portáteis.

#notícias # #história #arqueologia #CT #tomografiacomputadorizada #Egito

John Doe

Curioso e apaixonado por tecnologia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *