Parler retorna online após uma ausência de um mês: Aqui está o que você precisa saber

O clone de direita do Twitter estava fora do ar desde que a Amazon parou de fornecer serviços no início de janeiro.

O serviço conservador de mídia social Parler está instalado e funcionando depois de ser forçado a ficar offline um mês atrás por permitir postagens inflamadas sobre a insurreição do Capitólio.

Em um comunicado na segunda-feira, a alternativa do Twitter disse que estava usando tecnologia independente e não “dependente da chamada ‘Big Tech'”. A empresa cruzou espadas com a Amazon Web Services, que cortou o suporte para a empresa em janeiro. O Google e a Apple também miraram em Parler, removendo seu aplicativo de suas lojas.

O serviço conservador de mídia social Parler está instalado e funcionando depois de ser forçado a ficar offline um mês atrás por permitir postagens inflamadas sobre a insurreição do Capitólio.

Em um comunicado na segunda-feira, a alternativa do Twitter disse que estava usando tecnologia independente e não “dependente da chamada ‘Big Tech'”. A empresa cruzou espadas com a Amazon Web Services, que cortou o suporte para a empresa em janeiro. O Google e a Apple também miraram em Parler, removendo seu aplicativo de suas lojas.

Na primeira semana do relançamento, Parler estará de volta online para pessoas com contas existentes. Novos usuários poderão se inscrever na semana seguinte.

O retorno de Parler segue um mês tumultuado para a curta mensagem, que viu o CEO e cofundador John Matze deposto pelos financiadores da empresa. A mudança na gestão ocorreu quando o site de microblog conservador processou a Amazon para que seu serviço fosse restaurado.

Os movimentos dos gigantes da tecnologia para se distanciarem de Parler surgiram após o aumento da preocupação de que o serviço pudesse ser usado para promover mais violência na esteira do ataque de 6 de janeiro ao Capitólio dos Estados Unidos por partidários do presidente Donald Trump, que os atacou em um corrida. Tanto o Twitter quanto o Facebook bloquearam a conta de Trump porque temem que os comentários do presidente possam desencadear mais violência.

A conversa sobre armas e violência foi generalizada nas discussões de Parler antes do evento, que foi organizado para apoiar as alegações infundadas do presidente de que as eleições de novembro lhe foram roubadas. Um usuário Parler em um tópico empurrando uma teoria da conspiração QAnon disse, “por todos os Patriots que descem em Washington DC em # jan6 …. venha armado ….”

A popularidade de Parler cresceu entre os usuários de direita em meio a alegações de que Twitter, Facebook e outras redes sociais abrigam preconceitos anti-conservadores. (As redes sociais negaram essas acusações.) De 6 a 10 de janeiro, Parler foi baixado 997.000 vezes na App Store da Apple e no Google Play, o que foi mais de 10 vezes o número de downloads que o aplicativo gerou de 1º a 5 de janeiro, de acordo com empresa de análise de aplicativos móveis Sensor Tower. Antes de Parler ser colocado offline, o aplicativo foi baixado mais de 11 milhões de vezes desde que foi lançado, com a maioria das instalações (9 milhões) vindo dos Estados Unidos.

Em novembro, conservadores de alto nível pediram a outros que se juntassem a Parler depois que os principais meios de comunicação projetaram a vitória de Joe Biden. “O Twitter ajudou o Partido Democrata a roubar esta eleição e agora tudo o que Trump diz está sendo silenciado. Diga a todos que você conhece para entrar em Parler”, disse a provocadora de extrema direita Laura Loomer a mais de 687.000 seguidores em Parler. (Loomer foi banido pelo Twitter e Facebook por violar suas regras.)

Loomer é apenas uma entre milhões de pessoas que recentemente buscaram refúgio em Parler, que se autodenomina uma plataforma não tendenciosa e voltada para a liberdade de expressão. Republicanos como o senador Ted Cruz, do Texas, vinham promovendo o aplicativo desde que o Twitter começou a aplicar rótulos no ano passado aos tweets de Trump que falsamente alegavam fraude com cédulas de correio ou que a empresa dizia glorificar a violência.

Aqui está o que você precisa saber sobre Parler.

Sobre o que está falando?

Lançado em 2018, Parler é um aplicativo de mídia social criado pelos graduados Matze e Jared Thomson da University of Denver. Eles vieram com Parler porque estavam “exaustos com a falta de transparência em grandes tecnologias, supressão ideológica e abuso de privacidade”, de acordo com o site de Parler.

A empresa privada tem sede em Henderson, Nevada, e tem entre 11 e 50 funcionários, de acordo com o LinkedIn. Parler significa “falar” em francês e deve ser pronunciado como PAR-lay. Mas, à medida que mais pessoas começaram a dizer o nome do aplicativo como a palavra em inglês “parlor”, essa pronúncia foi assumindo.

A rede social tem uma sensação semelhante ao Twitter. Você segue as contas e o conteúdo aparece em um feed de notícias cronológico. Os usuários podem postar até 1.000 caracteres, que é mais do que o limite de 280 caracteres do Twitter, e podem fazer upload de fotos, GIFs e memes.

Você também pode comentar em uma postagem e pesquisar hashtags. Há um recurso chamado “echo”, com um ícone de megafone, que funciona como o botão de retuíte do Twitter, e há um ícone de upvote para um recurso que lembra “curtir” uma postagem em outras plataformas de mídia social. Tal como acontece com outras redes sociais, você precisa ter pelo menos 13 anos para se inscrever em uma conta.

Quem usa Parler?

Matze disse à Fox Business em junho que Parler é usado principalmente por conservadores, mas que também houve “indivíduos de esquerda” ligados ao movimento Black Lives Matter que aderiram ao aplicativo para “discutir com os conservadores”. Ele também disse à CNBC no mesmo mês que não quer que o aplicativo seja uma câmara de ressonância para os conservadores, observando que não gosta do partido Democrata nem do Republicano.

“A empresa inteira nunca teve a intenção de ser pró-Trump”, disse Matze à CNBC. “Grande parte do público é pró-Trump. Não me importo. Não os estou julgando de qualquer maneira.”

Se você aderir, Parler pede seu e-mail e número de telefone, mas não pede seu partido político. Também não se marca como uma rede social para conservadores.

Mas a rede ostenta um quem é quem de vozes conservadoras. O ex-representante dos EUA Ron Paul do Texas; Campanha de Trump; Loomer; e o representante republicano dos EUA Devin Nunes, da Califórnia, estão no aplicativo. Assim como o comentarista conservador Candace Owens e o teórico da conspiração de extrema direita Alex Jones, que foi banido do Facebook e do Twitter. Sites de notícias de direita, como Breitbart News, The Epoch Times e The Daily Caller também têm contas Parler.

Quando você entra no aplicativo, Parler recomenda que vários usuários conservadores sigam, mas não há nenhum liberal – provavelmente porque eles não aderiram ao aplicativo ou não têm muitos seguidores.

Existem várias contas falsas para legisladores, incluindo uma para a presidente da Câmara dos Democratas, Nancy Pelosi.

Por que mais conservadores estão aderindo ao aplicativo?

Conservadores alegam há anos que sites de mídia social como Twitter e Facebook estão suprimindo seu discurso. Essas empresas têm negado repetidamente fazer isso, dizendo que têm regras contra discurso de ódio e incitação à violência que se aplicam a todos os usuários.

As alegações dos conservadores só ficaram mais altas depois que o Twitter e o Facebook rotularam os tweets de Trump que incluíam desinformação sobre fraude eleitoral. Quando Trump falsamente alegou lá que venceu a reeleição no fim de semana e que milhões de cédulas foram enviadas para pessoas que nunca as solicitaram, o Twitter adicionou um rótulo sob seu tweet afirmando que “a alegação sobre fraude eleitoral é contestada”. O Facebook adicionou um rótulo diferente abaixo dos mesmos comentários de Trump. O aviso afirmava que Biden era o provável vencedor das eleições presidenciais dos Estados Unidos.

Na época da eleição, houve relatos de que a campanha de Trump procurava atrair mais seguidores para Parler, angariando mais publicidade para isso. E políticos como Nunes incentivaram outros a aderir. No ano passado, Nunes processou o Twitter e três usuários do Twitter, incluindo um satiricamente fingindo ser a vaca de Nunes, por acusações de difamação, mas um juiz afastou a rede social do processo.

Em que Parler é diferente do Twitter e do Facebook?

Parler tem menos regras do que Twitter e Facebook sobre o que permite em sua rede. Os usuários podem denunciar uma postagem por violar as políticas de Parler, mas a empresa não possui verificadores de fatos de terceiros e não rotula informações incorretas.

Alguns dos conteúdos barrados em Parler, porém, são permitidos no Twitter. Por exemplo, as regras de Parler proíbem a pornografia, mas o Twitter permite que os usuários compartilhem “conteúdo adulto produzido de forma consensual” se marcarem a mídia como “sensível”. O Facebook não permite que os usuários postem imagens de atividade sexual.

A base de usuários de Parler de mais de 12 milhões de pessoas também é uma fração do número de pessoas no Facebook e Twitter. O Facebook tem mais de 2,7 bilhões de usuários ativos mensais. O Twitter, que deixou de registrar o número de usuários mensais, tem 187 milhões de usuários que se conectam diariamente à rede social e podem ver os anúncios. Algumas pessoas visualizam tweets, incluindo aqueles incorporados em artigos de notícias, sem fazer login no site.

Parler também tem crachás de verificação de cores diferentes. Um emblema dourado, por exemplo, é para figuras públicas com muitos seguidores, e um emblema vermelho indica que a conta é uma pessoa real e não um bot. Parler tem regras contra spam, que incluem “comentários repetitivos e postagens irrelevantes para a conversa”.

Embora Parler diga que nunca vai vender ou compartilhar dados do usuário, sua política de privacidade afirma que pode usar os dados que coleta para publicidade e marketing. Matze disse à CNBC em julho que a rede social planeja ganhar dinheiro com anúncios, mas que “os anunciantes terão como alvo os influenciadores e as pessoas com grande alcance”.

Os usuários podem dizer o que quiserem em Parler?

Não. Parler, como outras redes sociais, tem uma lista de regras com as quais os usuários concordam quando ingressam no site. Parler não permite terroristas, spam, anúncios não solicitados, pornografia, ameaças de danos, chantagem e conteúdo que glorifique a violência contra animais.

O site não tem regras contra discurso de ódio, mas tem políticas contra conteúdo obsceno, ou seja, conteúdo de natureza sexual, ofensivo e sem “valor literário, artístico, político ou científico sério”.

O contrato de usuário da empresa também diz que o site pode remover qualquer conteúdo ou barrar o acesso de um usuário “a qualquer momento e por qualquer motivo ou sem motivo”, mas que o site “se esforça para permitir toda a liberdade de expressão que seja legal e não infrinja o legal direitos dos outros. “

Os usuários que se juntaram a Parler para mexer com os fãs de Trump acessaram o Twitter para reclamar que foram expulsos da plataforma.

Em junho, Matze disse em um post no Parler que você não pode “spam” em comentários com “comentários não relacionados” que incluem palavrões ou ameaças de matar alguém.

“Em caso de dúvida, pergunte-se se você diria isso nas ruas de Nova York ou na televisão nacional”, escreveu ele.

Os usuários também podem silenciar ou bloquear outras contas, como Twitter e Facebook.

Trump abandonaria o Twitter e o Facebook por Parler?

Parecia improvável, mas agora as coisas estão mudando. Na sexta-feira, o Twitter suspendeu permanentemente a conta pessoal @realDonaldTrump de Trump, citando “o risco de mais incitação à violência”. Enquanto isso, o Facebook bloqueou a conta de Trump “indefinidamente”.

O Twitter e o Facebook têm um alcance muito maior do que Parler. A campanha de Trump tem uma conta Parler, @TeamTrump, com mais de 2,2 milhões de seguidores. A campanha teve 2,3 milhões de seguidores no Twitter – essa conta também foi suspensa – e 2 milhões de seguidores no Facebook.

A conta pessoal de Trump teve uma audiência ainda maior no Twitter, com 89 milhões de seguidores. No Facebook, ele tem 34 milhões de seguidores.

Em maio, ao assinar uma ordem executiva destinada a restringir as proteções legais que as empresas de mídia social obtêm para o conteúdo postado por usuários, o presidente foi questionado se consideraria excluir sua conta no Twitter.

Trump disse que usa a mídia social para resistir ao que descreveu como cobertura injusta da mídia e observou que o número de seguidores que ele tem no Facebook, Instagram e Twitter é maior do que o alcance que as empresas de mídia têm.

“Eu coloco algo para fora e no dia seguinte ou na próxima hora ou no próximo minuto todo mundo está lendo sobre isso”, disse ele.

Trump acrescentou que acha que estaria prejudicando o Twitter “muito” se não usasse mais a plataforma e que fecharia a empresa se encontrasse uma maneira legal de fazê-lo.

“Temos outros sites que podemos usar, eu acho”, disse Trump.

Andrew Morse e Steve Musil contribuíram para este relatório.

#Aplicativoshoje #Móvel #Podcasts #Amazonas #oFacebook #Twitter #maçã #oFacebook #Twitter #meiosdecomunicação

John Doe

Curioso e apaixonado por tecnologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *