Pesquisadores da Antártica descobrem criaturas misteriosas nas profundezas da plataforma de gelo

“Como eles chegaram lá?”

Perfurando gelo de meia milha de espessura e perscrutando sob a plataforma de gelo Filchner-Ronne da Antártica, os pesquisadores acidentalmente tropeçaram em criaturas estranhas à espreita em uma rocha sob o continente gelado. Usando uma GoPro, uma equipe de cientistas polares do British Antarctic Survey examinou uma rocha a uma profundidade de mais de 4.000 pés e descobriu que ela estava viva com caules alienígenas.

A pesquisa, publicada na revista Frontiers in Marine Science nesta segunda-feira, aconteceu entre 2015 e 2018 e é a primeira a documentar animais imóveis – três “alimentadores de suspensão”, que a equipe identifica como esponjas e possivelmente outros invertebrados. A descoberta foi uma surpresa para os cientistas, que estavam perfurando a plataforma que fica contra o mar de Weddell.

Perfurando gelo de meia milha de espessura e perscrutando sob a plataforma de gelo Filchner-Ronne da Antártica, os pesquisadores acidentalmente tropeçaram em criaturas estranhas à espreita em uma rocha sob o continente gelado. Usando uma GoPro, uma equipe de cientistas polares do British Antarctic Survey examinou uma rocha a uma profundidade de mais de 4.000 pés e descobriu que ela estava viva com caules alienígenas.

A pesquisa, publicada na revista Frontiers in Marine Science nesta segunda-feira, aconteceu entre 2015 e 2018 e é a primeira a documentar animais imóveis – três “alimentadores de suspensão”, que a equipe identifica como esponjas e possivelmente outros invertebrados. A descoberta foi uma surpresa para os cientistas, que estavam perfurando a plataforma que fica contra o mar de Weddell.

“Esta descoberta é um daqueles acidentes afortunados que empurra as idéias em uma direção diferente e nos mostra que a vida marinha na Antártica é incrivelmente especial”, disse Huw Griffiths, principal autor e biogeógrafo do British Antarctic Survey, em um comunicado à imprensa.

Encontrar vida em profundidade não é incomum no oceano aberto, mas 160 milhas para o interior, sob a plataforma de gelo, pesquisas anteriores nunca haviam descoberto qualquer vida estacionária. Acredita-se que apenas bestas móveis ocupam tal lugar sob a Antártica, porque acredita-se que haja uma grande falta de nutrientes na escuridão abissal. Embora os pesquisadores tenham encontrado 22 animais individuais, ainda há muito a aprender.

“Nossa descoberta levanta muito mais perguntas do que respostas, como como eles chegaram lá? O que eles estão comendo? Há quanto tempo estão lá?” pergunta Griffiths.

Os pesquisadores fazem algumas suposições e sugerem que talvez as criaturas sobrevivam a longo prazo, “pulando em ilhas” entre pedras nas profundezas, assim como criaturas em mar aberto são capazes de “pular” entre fontes hidrotermais e quedas de baleias. Eles também podem estar sob risco de mudanças climáticas e perda das prateleiras.

Aprender mais sobre essas criaturas e seu ambiente é lento. Os cientistas só conseguiram obter informações perfurando as prateleiras e, segundo a equipe, a área total analisada até agora é comparável a uma quadra de tênis – cerca de 200 metros quadrados. Os habitats da plataforma de gelo cobrem mais de 1,5 milhão de quilômetros quadrados.

“Teremos que encontrar maneiras novas e inovadoras de estudá-los e responder a todas as novas perguntas que temos”, disse Griffiths.

John Doe

Curioso e apaixonado por tecnologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *