‘Qualquer evidência para o Planeta Nove se foi’: os cientistas contestam a probabilidade do planeta misterioso

Existe um nono planeta escondido longe do sol? Uma nova pesquisa despeja água fria sobre a teoria.

Na década de 1820, o astrônomo francês Alexis Bouvard especulou que a órbita irregular de Urano estava sendo influenciada por um oitavo planeta em nosso sistema solar, levando à descoberta de Netuno. Em 2016, citando a trajetória incomum de planetóides na órbita de Netuno, dois astrônomos do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech) previram que havia outro planeta à espreita no sistema solar: o Planeta Nove.

A teoria ganhou força, um grande feito, dado o charlatanismo que historicamente cercou as previsões de um nono planeta. No entanto, também atraiu muitas dúvidas.

Na década de 1820, o astrônomo francês Alexis Bouvard especulou que a órbita irregular de Urano estava sendo influenciada por um oitavo planeta em nosso sistema solar, levando à descoberta de Netuno. Em 2016, citando a trajetória incomum de planetóides na órbita de Netuno, dois astrônomos do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech) previram que havia outro planeta à espreita no sistema solar: o Planeta Nove.

A teoria ganhou força, um grande feito, dado o charlatanismo que historicamente cercou as previsões de um nono planeta. No entanto, também atraiu muitas dúvidas.

Na semana passada, uma equipe de pesquisadores da Universidade Cornell, liderada por Kevin Napier, publicou um artigo pré-impresso (ainda a ser revisado por pares) que dizem desacreditar as evidências frequentemente usadas para apoiar o Planeta Nove. “Resumindo, qualquer evidência do Planeta Nove se foi”, tuitou Stephanie Deppe, co-autora do artigo.

Primeiro, a teoria por trás do Planeta Nove. A hipótese de um planeta principal ainda não detectado gira em torno de objetos transneptunianos extremos, miniplanos cujas órbitas ao redor do Sol se estendem muito além de Netuno. (Muito além – mais de 750 milhões de milhas além.) Em 2016, dois pesquisadores do Caltech, Michael Brown e Konstantin Batygin, publicaram um artigo examinando as órbitas incomuns de seis ETNOs – as órbitas são elípticas em vez de circulares e em ângulo isso faz com que eles se aproximem do sol quase no mesmo ponto.

Que este aglomerado de órbitas ocorreria por coincidência tem 0,007% de chance, estimativa de Brown e Batygin. Eles levantam a hipótese de que os ETNOs entraram em contato com a atração gravitacional do Planeta Nove, distorcendo suas órbitas. Os astrônomos até fizeram uma simulação que calculou as dimensões do Planeta Nove: Um raio duas a quatro vezes maior que o da Terra, com uma massa de cinco a dez vezes maior.

A nova pesquisa, feita pela equipe da Cornell, não descarta completamente a existência do Planeta Nove, mas sim argumenta que é muito menos provável que Brown e Batygin pensem.

Uma parte fundamental do problema são os dados tendenciosos. Os ETNOs estão distantes e são relativamente pequenos, o que os torna difíceis de ver. Os astrônomos só são capazes de identificá-los quando os ETNOs estão orbitando perto do sol. Para isso, os telescópios são ajustados para ver uma certa parte do céu, em uma certa parte do ano, em um determinado horário do dia. Esse método influencia a amostra de dados, argumenta o artigo da equipe de Cornell.

Assim, a equipe extraiu dados de três levantamentos telescópicos diferentes e avaliou o movimento de 14 ETNOs, nenhum dos quais foram incluídos no artigo de Brown e Batygin de 2016, e contabilizou o viés de seleção usando uma simulação de computador. Poupando você de uma atronomia incompreensível, a descoberta foi que o que antes era considerado um “aglomerado” de ETNOs é, na verdade, apenas viés de seleção. “TL; DR: Você encontra [ETNOs] onde você olha”, explicou um dos pesquisadores vigorosamente em um tweet.

Em termos mais simples: o Planeta Nove provavelmente não precisa existir para que esses ETNOs tenham as órbitas que têm.

“É importante notar que nosso trabalho não exclui explicitamente o Planeta X / Planeta 9”, diz o jornal, “Em vez disso, mostramos que, dado o conjunto atual de ETNOs de pesquisas bem caracterizadas, não há evidências para governar a hipótese nula. “

John Doe

Curioso e apaixonado por tecnologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *