Segundo julgamento de impeachment de Trump no Senado: Aqui estão os diferentes cenários

Aqui estão as várias maneiras pelas quais o julgamento, que começa terça-feira, pode se desenrolar no Senado.

O histórico segundo julgamento de impeachment do ex-presidente Donald Trump no Senado começa na terça-feira. (Veja como acompanhar a transmissão ao vivo do impeachment.) É um processo sem precedentes em todos os sentidos imagináveis.

(Atualização: O Senado votou 57 a 43 para absolver Trump.)

O histórico segundo julgamento de impeachment do ex-presidente Donald Trump no Senado começa na terça-feira. (Veja como acompanhar a transmissão ao vivo do impeachment.) É um processo sem precedentes em todos os sentidos imagináveis.

(Atualização: O Senado votou 57 a 43 para absolver Trump.)

Antes de Trump deixar o cargo no mês passado, a Câmara dos Representantes o impeachment em 13 de janeiro, acusando-o de incitar uma insurreição no Capitólio dos Estados Unidos na semana anterior. Durante o julgamento, os senadores irão julgar o ex-presidente e votar para condená-lo ou absolvê-lo (veja como assistir ao julgamento de impeachment).

O Congresso está pisando em um novo terreno. Nenhum presidente foi acusado duas vezes. Além do mais, nenhum presidente foi julgado pelo Senado depois que deixou o cargo. A questão de saber se um presidente que não está mais no cargo pode ser julgado por impeachment é uma questão enorme que divide os estudiosos constitucionais sobre o que é legalmente permitido.

Os democratas disseram que um julgamento é necessário para garantir a responsabilização pelo ataque. Se Trump for condenado, o Senado pode realizar uma segunda votação para desqualificá-lo de buscar o cargo novamente.

Mas os republicanos dizem que o julgamento é discutível, visto que Trump está fora do cargo. E eles argumentam que o julgamento é inconstitucional.

Como será o julgamento ainda está para ser visto. Os democratas da Câmara na quinta-feira pediram a Trump para testemunhar sob juramento para o julgamento. Trump mais tarde naquele dia recusou.

Veja como as coisas podem acabar.

O que seria necessário para condenar Trump?

São necessários pelo menos dois terços do Senado, ou 67 votos, para condenar Trump. Este é um obstáculo particularmente alto a ser superado pela promotoria, visto que o Senado está essencialmente dividido em 50-50 entre republicanos e democratas. Um total de 17 senadores republicanos teriam que romper com a maioria do partido para votar pelo impeachment de Trump.

Embora os membros do Senado tradicionalmente não sejam tão populistas quanto a Câmara, ainda há um certo apoio a Trump no partido Republicano e entre os republicanos do Senado, que temem desafios primários se cruzarem com Trump e votarem pela condenação.

Um primeiro sinal de quão difícil pode ser esse obstáculo veio em 26 de janeiro, quando dois terços dos senadores republicanos votaram contra uma medida que teria impedido a Câmara de avançar no impeachment.

Apenas como referência, o senador republicano Mitt Romney de Utah foi o único republicano a romper com seu partido para votar pela condenação de Trump por abuso de poder no primeiro julgamento de impeachment. Mas Romney, junto com outros quatro senadores republicanos, votou para eliminar a objeção de renunciar a este segundo julgamento de impeachment. Esses outros senadores foram Susan Collins do Maine, Lisa Murkowski do Alasca, Ben Sasse do Nebraska e Pat Toomey da Pensilvânia.

Ainda há uma grande questão sobre como o líder da minoria republicana Mitch McConnell de Kentucky pode votar.

No mês passado, McConnell culpou publicamente Trump em parte por alimentar “mentiras” à multidão que invadiu o Capitol. Ele sinalizou em particular que pode estar aberto à condenação. Mas então ele apoiou a medida proposta pelo senador Rand Paul, um colega republicano de Kentucky, que disse que o julgamento é inconstitucional.

“Vou ouvir os argumentos”, disse McConnell. “Isso é o que devemos fazer. Isso é o que eu disse antes de começar. Essa ainda é minha opinião. A questão na qual já votamos é uma questão constitucional interessante. Acho que devemos ouvir os advogados discutirem a questão.”

O que significaria uma condenação?

Dado que Trump não é mais presidente, uma condenação não o removeria do cargo. Mas seria uma repreensão pública de suas ações após a eleição e levando ao motim.

Uma condenação não resultaria na perda de Trump nenhum de seus benefícios como ex-presidente. A Lei dos Ex-Presidentes, aprovada em 1958, especifica os benefícios a que os ex-presidentes têm direito e apenas retém certos privilégios, como sua pensão e detalhes do Serviço Secreto, se um presidente for destituído ou demitido do serviço por impeachment e condenação. O mandato de Trump não foi encerrado dessa forma, então uma condenação significa que ele ainda teria direito a essas vantagens.

E quanto a outras ‘punições’ resultantes de uma condenação?

Se o Senado fosse condenado, poderia realizar outra votação para desqualificar Trump de ocupar cargos federais no futuro. Essa votação exigiria apenas uma maioria simples. Isso impediria Trump de concorrer novamente à presidência em 2024, como ele indicou que poderia fazer. Ele também não poderia concorrer a uma cadeira na Câmara ou no Senado se fosse impedido de ocupar um cargo federal.

Claro, a votação para barrar um presidente de ocupar um cargo nunca foi testada antes. Nenhum presidente dos EUA jamais foi condenado por impeachment. E o Senado nunca votou para barrar um ex-presidente de assumir o cargo novamente. Então, se esse cenário se concretizar, pode haver uma ação judicial contestando essa votação no tribunal.

Outra coisa a ter em mente é que se Trump fosse condenado e o Senado votasse para impedi-lo de cargos federais, sua influência ainda poderia ser grande na política americana. Ele ainda poderia oferecer comentários e endossos, bem como realizar comícios. Em outras palavras, uma votação para impedi-lo de concorrer a um cargo novamente não significaria necessariamente o fim de Donald Trump e do movimento MAGA.

O que acontecerá se Trump for absolvido?

Como aconteceu em seu primeiro impeachment, Trump poderia ser absolvido pelo Senado. Este voto de absolvição não significaria muito em termos práticos, uma vez que ele não é mais presidente. Mas provavelmente serviria como outro grito de guerra para Trump e sua base, assim como a absolvição anterior.

Uma absolvição também significaria que o Senado não votaria para impedi-lo de concorrer a um cargo federal. Assim, Trump poderia, em teoria, concorrer à presidência em 2024.

Trump poderia ser censurado?

sim. O Senado poderia votar pela censura, que é simplesmente uma declaração formal de desaprovação. A consequência da censura não é vinculativa, o que significa que não há ramificações legais. Mas é um modo formal de disciplinar um funcionário público, como um presidente dos Estados Unidos. E serve como uma espécie de vergonha pública.

Há um punhado de legisladores que pressionaram pela censura. Sens. Tim Kaine, um democrata da Virgínia; Chris Coons, um democrata de Delaware; e Susan Collins, do Maine, apresentaram essa ideia.

O líder da maioria no Senado, Chuck Schumer, de Nova York, não fechou a porta à censura se os democratas não conseguirem uma condenação.

“Acho que o presidente deve ser julgado. Espero que ele consiga um voto para ser condenado”, disse Schumer a repórteres na semana passada. “Qualquer coisa além disso é algo que podemos discutir, mas ele merece convicção, nada menos.”

Mas ainda não está claro se os democratas seguiriam esse caminho se não conseguissem votos para condenar.

#DonaldTrump

John Doe

Curioso e apaixonado por tecnologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *