Todo-o-terreno elétrico construído em garagem encontra a glória das corridas no King of the Hammers

Um Toyota 4Runner com um powertrain Nissan Leaf foi o primeiro EV a correr no notório evento off-road.

A semana passada marcou a primeira vez que um veículo elétrico correu no evento off-road King of the Hammers em Johnson Valley, Califórnia. O piloto Kyle Seggelin e sua equipe terminaram o Every Man Challenge no caminhão nº 2.277, um Toyota 4Runner com o trem de força de um Nissan Leaf EV.

O equipamento 4Runner / Leaf foi construído por Seggelin e sua equipe. Ele começou a corrida com duas baterias de 20 quilowatts-hora, o suficiente para chegar ao primeiro pit stop a cerca de 17,5 milhas de distância. Lá, a equipe trocou essas baterias pelo pacote de 62 kWh encontrado no Leaf Plus – um processo que levou apenas sete minutos.

A semana passada marcou a primeira vez que um veículo elétrico correu no evento off-road King of the Hammers em Johnson Valley, Califórnia. O piloto Kyle Seggelin e sua equipe terminaram o Every Man Challenge no caminhão nº 2.277, um Toyota 4Runner com o trem de força de um Nissan Leaf EV.

O equipamento 4Runner / Leaf foi construído por Seggelin e sua equipe. Ele começou a corrida com duas baterias de 20 quilowatts-hora, o suficiente para chegar ao primeiro pit stop a cerca de 17,5 milhas de distância. Lá, a equipe trocou essas baterias pelo pacote de 62 kWh encontrado no Leaf Plus – um processo que levou apenas sete minutos.

A chave para trocar baterias rapidamente? Controles deslizantes personalizados. A equipe dividiu as baterias em seções, cada uma pesando cerca de 200 libras. Eles se encaixam com segurança nos controles deslizantes e são conectados ao motor elétrico com uma grande conexão de alta tensão e um ou dois conectores Molex menores, dependendo do tamanho da embalagem. Tudo o que a equipe precisava fazer era desconectar, retirar os pacotes e reverter o processo. Mole-mole.

Enquanto Seggelin e seu copiloto, sua irmã Dahlia Seggelin, estavam viajando nas próximas 55 milhas com a bateria maior de 62 kWh, a equipe carregou as baterias menores originais com um gerador de 12.000 watts.

Foi nessa seção de 55 milhas do percurso que a camaradagem das corridas off-road realmente brilhou. A tripulação de outra equipe pediu a Seggelin para carregar algumas peças para sua plataforma, que foi parada cerca de cinco milhas fora dos poços. As regras do KOH afirmam que não há pitting fora das áreas designadas, mas os competidores podem ajudar uns aos outros. Mas antes que Seggelin alcançasse seu inimigo caído, sua direção hidráulica foi para o sul. Seggelin percebeu que a bolsa de ferramentas da outra equipe tinha a peça de que ele precisava: um parafuso simples. Sem saber o que havia de errado com o equipamento do concorrente, ele arriscou e usou a parte da outra equipe de qualquer maneira.

Exibindo um verdadeiro espírito esportivo, o outro piloto estava pronto para desistir de sua corrida em favor da finalização de seu concorrente, até que Seggelin percebeu que o outro equipamento só precisava de uma junta heim para ir. Mais uma vez, a sacola de ferramentas forneceu a solução e os dois caminhões foram capazes de fazer reparos na trilha.

O 4Runner, no entanto, também funcionava com tração nas três rodas, graças a um eixo dianteiro quebrado, e Seggelin disse que seu caminhão perdeu potência algumas vezes. A equipe fez a segunda troca de bateria em menos de 10 minutos, mas, ao todo, levou 7 horas, 42 minutos e 9 segundos para terminar a volta de 91 milhas. A análise preliminar dos dados mostra que o caminhão alcançou mais alcance do que o previsto de 1 milha para cada kWh de suco, mas a equipe não saberá os números exatos até que realmente investiguem os computadores.

Seggelin estava em uma classe de um no Every Man Challenge, precisando apenas terminar a primeira volta da corrida com foco no deserto para subir ao pódio. No próximo ano, ele e sua equipe gostariam de voltar em um chassi de tubo EV com motores duplos, eixos sólidos e reduções de marcha para realmente tirar o máximo proveito da usina. Ele gostaria de ver outros concorrentes trazerem concorrentes elétricos também, incluindo grandes fabricantes de automóveis.

“Se dois caras em uma garagem com um ferro-velho Leaf e um caminhão de segunda mão de 30 anos conseguem fazer isso”, disse Seggelin, “o que está impedindo a indústria automobilística de nos dar alguma competição?”

#Toyota #Nissan #Carroselétricos #CulturaAutomóvel

John Doe

Curioso e apaixonado por tecnologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *