Tomei minha vacina COVID-19 antes do esperado. Como é o tiro

Nos ajude compartilhando esse conteúdo

Acontece que um pau no braço é uma ótima maneira de comemorar o Ano Novo.

Dez minutos depois de receber a vacina COVID-19, subi ao volante do meu caminhão fora do Hospital Holy Cross em Taos, Novo México, e senti uma forte necessidade física de me enrolar no assento e tirar uma soneca. Eu tinha planejado passar minha tarde em uma mountain bike nas terras áridas ao norte de Santa Fé. Era véspera de ano novo e eu estava tímido de minha meta de 1.000 milhas de bicicleta para o ano.

Em vez disso, passei as horas finais de um ano histórico e horrível sentado no meu sofá, sentindo-me grogue pela tecnologia e por cientistas e pesquisadores incansáveis ​​como nunca.

Dez minutos depois de receber a vacina COVID-19, subi ao volante do meu caminhão fora do Hospital Holy Cross em Taos, Novo México, e senti uma forte necessidade física de me enrolar no assento e tirar uma soneca. Eu tinha planejado passar minha tarde em uma mountain bike nas terras áridas ao norte de Santa Fé. Era véspera de ano novo e eu estava tímido de minha meta de 1.000 milhas de bicicleta para o ano.

Em vez disso, passei as horas finais de um ano histórico e horrível sentado no meu sofá, sentindo-me grogue pela tecnologia e por cientistas e pesquisadores incansáveis ​​como nunca.

A dose que circula em minha corrente sanguínea foi desenvolvida em tempo recorde, usando tecnologias totalmente novas. As vacinas anteriores levaram vários anos para chegar ao público, com a vacina contra a caxumba mantendo o recorde anterior de quatro anos.

As vacinas COVID-19 da Pfizer e Moderna – as duas únicas atualmente autorizadas para uso de emergência nos Estados Unidos – usam RNA mensageiro sintético, ou mRNA. Esta molécula contém uma parte do código genético do vírus SARS-CoV-2 e estimula o sistema imunológico a construir suas defesas contra o vírus sem realmente ser exposto a ele.

Tenho a tendência de derreter em torno de agulhas, mas a injeção da vacina COVID-19 trouxe menos dor e ansiedade que já experimentei com a extremidade média de uma seringa. Eu facilmente preferiria ficar preso novamente com uma vacina cheia de COVID-19 da Pfizer a pisar em um Lego rebelde qualquer dia.

Movido para a frente da linha de vacina

A oportunidade de receber a vacina tão cedo foi uma surpresa.

A vacina Pfizer só foi autorizada em 11 de dezembro, com a vacina Moderna aprovada uma semana depois. Em 29 de dezembro, registrei-me para obter a injeção em um site do Departamento de Saúde do Novo México. Com base na minha idade (41) e fatores de risco (nenhum), parecia que eu poderia esperar vários meses antes de chegar a minha vez de levar uma injeção no braço.

No dia seguinte, não relacionado ao meu registro, recebi uma mensagem em grupo do líder do grupo local de busca e resgate para o qual sou voluntário. Acontece que membros treinados e prontos para a missão de nosso grupo eram elegíveis para receber a vacina imediatamente junto com outros socorristas.

A verdade é que tenho um risco relativamente baixo de entrar em contato com o vírus. Minha esposa e eu trabalhamos em casa, em uma área rural, e nossa filha não vê o interior de uma sala de aula desde março.

Mas a cada poucos meses ou mais, eu passo um dia (ou uma longa noite) em uma missão trabalhando com outras equipes de busca e resgate e socorristas para encontrar alguém perdido nos milhões de hectares de floresta, montanhas, deserto e desfiladeiro de rio que atrair inúmeros esquiadores, caibros, ciclistas e caminhantes aqui durante todo o ano.

Normalmente, também passo alguns dias por mês treinando no campo, praticando resgate em avalanche ou trabalhando com cães de busca, entre inúmeras outras habilidades. Eu passo mais algumas noites a cada mês em aulas. Mas todo aquele treinamento presencial foi suspenso desde março para cumprir as ordens de saúde emergenciais do estado.

As chamadas de missão não pararam, no entanto. Acabamos de adicionar máscaras e desinfetante para as mãos em nossos pacotes de missão, entre outras novas precauções.

Então, quando alguns membros de nossa equipe disseram que não parecia certo recebermos a vacina tão cedo – antes mesmo dos idosos e atrás apenas dos profissionais de saúde da linha de frente – eu concordei. Fomos encorajados a reconsiderar por nosso líder de equipe.

A esperança é que possamos retomar o treinamento presencial já em fevereiro e sermos capazes de responder às missões com muito mais confiança em nossas habilidades e, esperançosamente, em nossa imunidade ao COVID-19.

Só mais um pedaço de pau no braço

Tirar a foto foi um processo bastante rotineiro e literalmente indolor, considerando os meses de expectativa pelo grande momento. Nossa equipe foi convidada a comparecer a um prédio do hospital preparado para vacinação durante o período de uma hora. Entramos por barracas no estacionamento em uma fria manhã de inverno e esperamos que nossas temperaturas fossem medidas e que uma pequena papelada fosse concluída.

Qualquer pessoa sem máscara suficiente (sem bandanas aqui) recebia uma nova embrulhada em plástico. Depois de um pouco mais de processamento e papelada, cada um de nós recebeu um pedaço de pau no braço, um curativo e um cartão de vacinação com instruções para retornar em três semanas para uma segunda dose.

Depois de ficar preso, fui levado a outra sala supervisionada por uma enfermeira em viagem para esperar cerca de cinco minutos, apenas no caso de uma reação alérgica repentina. Também nos disseram para ir com calma no caminho para casa, pois essas reações geralmente surgem em cerca de uma hora. Meus companheiros agradeceram a enfermeira por seu trabalho. Ela compartilhou algumas anedotas do ano passado. A maioria eram experiências positivas de pacientes, mas também havia a história do homem em um posto de gasolina de Oklahoma que a repreendeu por bombear gasolina enquanto usava jaleco, por medo de contaminar a bomba.

Todos agradecemos pelo próximo Ano Novo, e a enfermeira me entregou outra máscara nova embrulhada em plástico e me instruiu a continuar a usar uma e a praticar o distanciamento social.

Também recebi instruções para baixar um aplicativo CDC para smartphone para rastrear e relatar quaisquer efeitos colaterais (ou a falta deles) nos próximos dias.

Nos primeiros quatro dias, não relatei nenhum efeito colateral, exceto por um pouco de dor ao redor do local da injeção nas primeiras 24 horas. No quinto dia, uma dor de cabeça e uma onda de náusea me mantiveram na cama a manhã toda, mas não posso ter certeza de que estava ligada à vacina. Na verdade, tenho quase certeza de que foi desidratação de uma caminhada na noite anterior.

O resultado final é que, após minha primeira dose, me sinto bem e agora tenho 12 meses novos para percorrer 1.600 quilômetros em minha bicicleta.

Vou relatar novamente após minha segunda dose no final deste mês. Enquanto isso, estou adicionando uma nova profissão à minha lista de gratidão. Junto com os profissionais de saúde e essenciais e todos os outros que nos ajudaram a continuar, agora também penso nas pessoas dedicadas que passam incontáveis ​​horas em laboratórios ao redor do mundo. Imagino que cada uma dessas horas nos aproximou dias de um retorno à vida normal.

As informações contidas neste artigo são apenas para fins educacionais e informativos e não têm como objetivo aconselhamento médico ou de saúde. Sempre consulte um médico ou outro profissional de saúde qualificado a respeito de qualquer dúvida que possa ter sobre uma condição médica ou objetivos de saúde.

#Saúdeebemestar #Coronavirus

Allan Siriani

Curioso e apaixonado por tecnologia, professor do curso superior de BigData no agronegócio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *